Artigo


BEEBOOK – VOLUME II

 

Standard methods for Apis mellifera Pest and Pathogen Research (Métodos padrão para pesquisa sobre Pestes
e Patógenos em Apis mellifera).

Arthur Henrique Puccetti Nascimento1 & David De Jong2
1 Departamento de Biologia, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP. E-mail: [email protected]
2 Departamento de Genética, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP. E-mail: [email protected]

beebookBEEBOOK volume II (livro online em inglês) foi lançado no ano de 2013 e publicado pela revista Journal of Apicultural Research, dando continuidade à série de livros produzidos pela ONG COLOSS. O segundo volume contempla métodos padrão para a pesquisa de patógenos que acometem a abelha Apis mellifera. Com 12 capítulos, o leitor pode obter informações a respeito de doenças e pragas apícolas, como por exemplo: Varroatose, Cria Pútrida Americana, Cria Giz, Cria Pútrida Europeia, Nosemose, entre outras. São descritos, além de características sobre as patologias e seus agentes etiológicos, protocolos de prevenção e tratamento, métodos de análise de infestação, ferramentas e softwares úteis no trato com as pragas apícolas. Material imprescindível para profissionais e pesquisadores do ramo apícola que buscam metodologias seguras e eficientes para lidar com os patógenos que parasitam as abelhas do mel.

A COLOSS, além de desenvolver todo o material, conseguiu verba da comunidade europeia para sua disponibilização gratuita no ambiente virtual, onde pode ser visualizado em acesso livre (open access) e baixado na íntegra no site da COLOSS pelo link: https://coloss.org/beebook/volume-2/, escritos na língua inglesa, que é o idioma padrão na pesquisa científica. Todos os capítulos têm múltiplos autores, cujos nomes podem ser vistos em cada um deles através dos links nas referências dos capítulos a seguir. Aqui estamos incluindo uma explicação breve em português sobre cada capitulo para facilitar pesquisas sobre os assuntos.

Síntese e links dos capítulos do BEEBOOK Volume II produzido pela ONG – COLOSS https://coloss.org/

Introdução:

Devido à grande importância que os patógenos e pragas apícolas exercem no bem-estar das abelhas, a demanda para um material técnico-científico para esclarecer, informar e instrumentalizar pesquisadores e apicultores foi o incentivo que motivou a COLOSS a desenvolver o livro digital BEEBOOK Vol. II. Somando esforços de 98 cientistas, de 22 países diferentes, o BEEBOOK Vol. II apresenta cerca de 500 protocolos com informações e metodologias relativas a inúmeras patologias apícolas.

Dietemann V, Ellis J D & Neumann P (2013) The COLOSS BEEBOOK Volume II, Standard methods for Apis mellifera pest and pathogen research: Introduction, Journal of Apicultural Research, 52:4, 1-4. https://doi.org/10.3896/IBRA.1.52.4.16

CAPÍTULOS

Métodos epidemiológicos padrão para compreender e melhorar a saúde da Apis mellifera

Neste capítulo, os autores descrevem métodos e conceitos relevantes ao manejo de ninhos para prevenir e reduzir doenças e perdas de colmeias. São apresentados os meios e custos para apicultores ou pesquisadores que desejam melhorar a sanidade das colmeias bem como os benefícios da utilização dos critérios de Hill, uma ferramenta estatística que calcula a causalidade entre a exposição a uma doença e a manifestação da mesma.

Engelsdorp D, Lengerich E, Spleen A, et al. (2013) Standard epidemiological methods to understand and improve Apis mellifera health, Journal of Apicultural Research, 52:4, 1-16. https://doi.org/10.3896/IBRA.1.52.4.15

Métodos de pesquisa padrão para estimar perdas de colônias e fatores de risco explicativos em Apis mellifera

São apresentados métodos de pesquisa e como produzir questionários para avaliação de perdas de colmeias e análise de fatores de risco. Vantagens e desvantagens de variadas estratégias de coleta de dados são descritas e a utilização de softwares, como por exemplo o software R, são transmitidos para auxiliar na interpretação dos resultados relacionados a perdas de colônias.

Zee R, Gray A, Holzmann C, et al. (2013) Standard survey methods for estimating colony losses and explanatory risk factors in Apis mellifera, Journal of Apicultural Research, 52:4, 1-36. https://doi.org/10.3896/IBRA.1.52.4.18

Métodos padrão para pesquisa do pequeno besouro da colmeia

Os autores descrevem protocolos para a coleta, identificação, criação e experimentação com o pequeno besouro da colmeia, Aethina tumida. Detalhes sobre o besouro incluem sua origem, hábitos e controles realizados nos países onde este parasita se manifesta.

Neumann P, Evans J D, Pettis J S, et al. (2013) Standard methods for small hive beetle research, Journal of Apicultural Research, 52:4, 1-32. https://doi.org/10.3896/IBRA.1.52.4.19

Métodos padrão para pesquisa de ácaros traqueais

Além de descrever características morfológicas, hábitos e origem do ácaro endoparasita, Acarapis woodi, que se instala nas traqueias da abelha Apis mellifera, os autores também citam protocolos para a coleta, identificação, medidas para avaliar infestação, bem como métodos de controle e estudo deste ácaro.

Sammataro D, Guzman L, George S, et al. (2013) Standard methods for tracheal mite research, Journal of Apicultural Research, 52:4, 1-20. https://doi.org/10.3896/IBRA.1.52.4.20

Métodos padrão para pesquisa de ácaros Tropilaelaps

Neste capítulo, são descritas características sobre os ácaros do gênero Tropilaelaps, ectoparasitas de abelhas do gênero Apis, como Apis laboriosa, A. dorsata, A. breviligula e A. mellifera. Os autores trazem informações relativas à morfologia, protocolos de coleta e identificação, histórico da relação parasitária com abelhas do gênero Apis, entre outras informações.

Anderson D L & Roberts J M K (2013) Standard methods for Tropilaelaps mites research, Journal of Apicultural Research, 52:4, 1-16. https://doi.org/10.3896/IBRA.1.52.4.21

Métodos padrão para pesquisa de Varroa

Considerado um dos parasitas da abelha Apis mellifera que causa mais danos à apicultura, o ácaro ectoparasita Varroa destructor é amplamente estudado em vários países, disponibilizando, assim, variados protocolos de controle e pesquisa, situação que para os autores deste capítulo dificulta o entendimento deste parasita, pois com tantos métodos diferentes, a comparação para análises se torna complexa. Assim, neste capítulo, os autores trazem protocolos e metodologias para pesquisa, criação, coleta, identificação e controle que os mesmos consideram simples e acessíveis para apicultores e pesquisadores.

Dietemann V, Nazzi F, Martin S J, et al. (2013) Standard methods for varroa research, Journal of Apicultural Research, 52:1, 1-54. https://doi.org/10.3896/IBRA.1.52.1.09

Métodos padrão para pesquisa da traça da cera

Neste capítulo, são descritas características e ecologia da Grande Traça de Cera (Galleria mellonella) e da Pequena Traça de Cera (Achroia grisella), pestes que acometem colmeias de Apis mellifera por todo o globo. O leitor também encontra informações sobre morfologia, hábitos, protocolos de identificação, quantificação de danos, controle e criação das traças.

Ellis J D, Graham J R & Mortensen A (2013) Standard methods for wax moth research, Journal of Apicultural Research, 52:1, 1-17. https://doi.org/10.3896/IBRA.1.52.1.10

Métodos padrão para pesquisa de Cria Pútrida Americana

A Cria Pútrida Americana é uma das mais importantes pestes que acomete as abelhas Apis mellifera. Causada pela bactéria gram-positiva, Paenibacillus larvae, e transmitida via esporos, infecta os imaturos da abelha causando sérios danos à apicultura. Neste capítulo, os autores apresentam informações e protocolos no trato com este parasita, técnicas de pesquisa em laboratório e controle bacteriano.

Graaf D C, Alippi A M, Antúnez K, et al. (2013) Standard methods for American foulbrood research, Journal of Apicultural Research, 52:1, 1-28. https://doi.org/10.3896/IBRA.1.52.1.11

Métodos padrão para pesquisa de Cria Pútrida Europeia

Outra bacteriose apícola comum é a Cria Pútrida Europeia, causada pela bactéria gram-positiva não formadora de esporos, Melissocccus plutonius. Neste capítulo, os autores descrevem as técnicas moleculares de identificação da bactéria, protocolos de criação em laboratório, informações sobre o ciclo de vida nos hospedeiros, danos nas abelhas e métodos de controle.

Forsgren E, Budge G E, Charrière J D, et al. (2013) Standard methods for European foulbrood research, Journal of Apicultural Research, 52:1, 1-14. https://doi.org/10.3896/IBRA.1.52.1.12

Métodos padrão para pesquisa de doenças fúngicas de cria

Os autores descrevem neste capítulo informações sobre duas doenças fúngicas que acometem a cria das abelhas Apis mellifera, a Cria Giz, causada pelo fungo Ascosphaera apis, e a Cria Pedra, causada pelo fungo Aspergillus spp. No texto, o leitor encontra protocolos de identificação, técnicas de criação dos fungos em laboratório, guias para pesquisa e controle das doenças.

Jensen A B, Aronstein K, Flores J M, et al. (2013) Standard methods for fungal brood disease research, Journal of Apicultural Research, 52:1, 1-20. https://doi.org/10.3896/IBRA.1.52.1.13

Métodos padrão para pesquisa de Nosema

Nosemose é uma doença fúngica que acomete as abelhas adultas da espécie Apis mellifera. A patologia pode ser causada pelos fungos Nosema apis e Nosema ceranae. Os autores, neste capítulo, descrevem métodos de avaliação de infestação e danos nas abelhas, bem como protocolos de criação dos fungos em laboratório e controle de infestação.

Fries I, Chauzat M P, Chen Y P, et al. (2013) Standard methods for Nosema research, Journal of Apicultural Research, 52:1, 1-28. https://doi.org/10.3896/IBRA.1.52.1.14

Métodos padrão para pesquisa de vírus em Apis mellifera

Já foram identificadas cerca de 24 viroses que acometem as abelhas Apis mellifera. As viroses apícolas são amplamente estudadas em vários países. Neste capítulo, os autores se concentram em transmitir métodos de análise de propagação e detecção dos vírus, além de informações básicas sobre os tipos de vírus parasitas das abelhas do mel.

Miranda J R, Bailey L, Ball B V, et al. (2013) Standard methods for virus research in Apis mellifera, Journal of Apicultural Research, 52:4, 1-56. https://doi.org/10.3896/IBRA.1.52.4.22