Pasto Apícola


CIPÓ-DE-SÃO-JOÃO
Pyrostegia venusta – Pyrostegia ígnea

Dr. João Martins Ferreira é Professor Titular da Universidade Paulista UNIP, Pesquisador junto à Universidade de São Paulo, Jornalista e Apicultor.
Contato: [email protected]

Uma Apis Melifera nas flores da planta Cipó-de-São-João – foto de João Martins Ferreira.

Uma Apis Melifera nas flores da planta Cipó-de-São-João – foto de João Martins Ferreira.

Os nomes populares dessa planta nativa do Brasil são Cipó-de-São-João, Flor-de-São-João, Cipó-Vermelho, Cipó-Bela-Flor, Marquesa-de-Belas, Cipó-Pé-de-Lagartixa e Cipó-de-Lagarto, entre outros. É uma trepadeira que cobre muito bem cercas, treliças, muros, pérgolas e caramanchões, oferecendo abundância de flores, principalmente na época das temperaturas anuais mais baixas, daí sua denominação mais comum, haja vista que suas flores são muito utilizadas na decoração de festividades juninas em nosso país, especialmente nas festas em devoção a São João Batista.

Presente em climas Equatorial e Tropical, o Cipó-de-São-João é encontrado em todo Brasil e em parte da América do Sul, sendo observado em locais como a caatinga, o cerrado, a mata atlântica, ou mesmo em florestas e savanas amazônicas. O período da florada varia de uma região para outra, mas geralmente contempla os meses entre maio e setembro, com maior intensidade em junho e julho.

Há muitas variedades, sendo mais comum a espécie Pyrostegia venusta, que apresenta flores na cor laranja, pequenas e alongadas, e a espécie Pyrostegia ígnea, que apresenta flores na cor amarela. Ela pode ser multiplicada por estacas ou sementes, porém estas têm curta durabilidade. É planta perene, resistente, que aprecia sol pleno, solo fértil e úmido, sendo que sua altura normalmente é de até 5 metros – no entanto pode crescer bem mais, caso esteja plantada em um local muito favorável para seu desenvolvimento.

Em algumas localidades, é planta utilizada popularmente com fins medicinais, como reguladora de menstruações. Dela pode-se extrair óleo para uso na pele, bem como das flores e folhas pode-se fazer pomada para tratamentos da epiderme. Com manipulação correta e utilização equilibrada, também pode fornecer medicações para tratamento de reumatismo e contra diarreia.

Caso haja gado próximo a essa trepadeira, é preciso cuidado, haja vista que ela não deve ser ingerida por esses animais, pois pode causar problemas de saúde neles. Por essa razão, algumas pessoas consideram que essa planta deve ser combatida quando cresce próxima a pastos.

Além de ser muito bela, útil e versátil em termos projetos paisagísticos, é uma planta importante como fonte de alimento para nossas abelhas, posto que ela se caracteriza como uma boa produtora de néctar e pólen em períodos de estiagem e frio.

Referências:

Enciclopédia de Plantas e Flores. São Paulo: Abril Cultural, 1972, p. 126.

FEEBURG, João B. Técnica e Prática de Apicultura. Porto Alegre: 1986, p. 123.

KORBES, Irmão V. Cirilo. Plantas Medicinais. 48 ed. Francisco Beltrão: Associação de Estudos, Orientação e Assistência Rural, 1995, p. 74-75.

http://www.esalq.usp.br/lcb/lerf/divulgacao/produzidos/artigos/2001sav58n2p413-420.pdf

http://faunaeflora.terradagente.g1.globo.com/flora/epifitas-cipos-trepadeiras/NOT,0,0,1223785,Flor-de-sao-joao.aspx

http://floradobrasil.jbrj.gov.br/

https://www.jardineiro.net/plantas/

https://pt.wikipedia.org/