Editorial


O XXII CONGRESSO BRASILEIRO DE APICULTURA E O VIII CONGRESSO BRASILEIRO DE MELIPONICULTURA

Nesta edição estamos destinando espaço para comentar e mostrar, parcialmente, o que aconteceu durante o maior evento da apicultura e da meliponicultura brasileira.

Tivemos a oportunidade de participar do mais bem organizado congresso dos últimos tempos em que pese a situação política e econômica do Brasil.

Com uma programação intensa e concentrada em apenas dois dias, o evento prendeu a atenção dos participantes que precisavam decidir os temas de maior interesse para cada um, já que era impossível assistir a todas as palestras, mesas redondas, minicursos e oficinas, as quais eram realizadas simultaneamente.

Se de um lado a Comissão Organizadora local não mediu esforços para atender da melhor forma possível os mais de 2.000 congressistas sentimos a Confederação Brasileira de Apicultura acuada, tentando ficar bem com todos, o que é impossível.

Infelizmente os congressos brasileiros de apicultura e meliponicultura continuam a ser uma grande festa de confraternização sem nenhum resultado que interfira na política apícola brasileira, em prol dos apicultores, dos meliponicultores e em especial em prol das abelhas.

Agora, segue-se dois anos de marasmo até o próximo congresso a ser realizado em Brasília – DF, no ano de 2020 e as entidades representativas dos apicultores, dos meliponicultores dependentes da ajuda financeira das empresas interessadas.

Constantino Zara Filho – Presidente Executivo