EVENTO


Maior encontro de apicultores do sul encerrou comemorando o sucesso da sua 3º edição

Katrine C. Daros – Departamento de Vendas

Encerrou no dia 20/02/2016 o Encontro de Apicultores Prodapys. Foram 3 dias de palestras técnicas, discussões e práticas para apicultores e técnicos de todas as regiões do País, com participantes principalmente do Piauí, Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O encontro que aconteceu no Morro dos Conventos, em Araranguá, trouxe experiências e técnicas das apiculturas chilena, neozelandesa, além de projetos de fomento desenvolvidos pela Prodapys, empresa realizadora do evento.

Na sua terceira edição o evento trouxe os palestrantes Vincent Toledo Puntigliano e Mariela Lamezon, do Chile, especialistas na produção de abelhas rainhas. Nas edições anteriores os participantes puderam conhecer as técnicas da apicultura americana, com palestrantes de Minnesota e do Texas.

A produção de mel de maior qualidade e em maior quantidade, novas técnicas de produção, a importância da polinização, projetos de manutenção da colmeia no inverno e a movimentação do mercado apícola internacional foram os principais temas do evento.

Novas técnicas para o fortalecimento das colmeias

As abelhas estão perdendo uma guerra catastrófica para a humanidade. A intervenção humana nos ambientes naturais e fatores climáticos estão reduzindo o volume de abelhas em todo o mundo. Com enxames mais “pobres” as abelhas mal conseguem produzir alimento para a colmeia, enfraquecem e morrem.

A abelha rainha é responsável pela produção de novas abelhas, colocando cerca de 3000 ovos por dia na sua fase de maior desempenho. Selecionar as melhores abelhas rainhas e inseri-las nas colmeias é a forma mais eficiente para multiplicar o volume de abelhas de alto desempenho. A segunda fase é a divisão de colmeias, que duplica o volume de enxames. Porém, a seleção genética de abelhas rainhas é algo que demanda tempo até que as melhores matrizes sejam identificadas e gerem suas descendentes.

No encontro foram explicadas técnicas de divisão de colmeias por lequeamento e por sobreposição de caixas sem a necessidade de procurar a rainha. Este manejo é amplamente utilizado em países onde a apicultura encontra-se mais desenvolvida.

Vincent Toledo, que é especialista na reprodução de abelhas rainhas ensinou as técnicas de divisão, troca de rainhas e a melhor época para a substituição de velhas rainhas por rainhas jovens. Todo o embasamento teórico deste evento foi realizado na prática, em uma estrutura montada no Centro de Produçao de Rainhas da Prodapys.

Varroa, uma praga microscópica é o maior inimigo da colmeia

A varroa é uma espécie de ácaro de tamanho milimétrico, e é atualmente o maior problema dos apicultores brasileiros. A varroa invade as colmeias, suga o “sangue” de filhotes e abelhas, e transmitem cerca de 18 tipos de vírus, que prejudicam o desenvolvimento das abelhas, deformando as asas dos insetos ou paralisando as abelhas. A sua presença na colmeia causa queda no volume do enxame, consequentemente na produção de mel, porém sem afetar a qualidade do mel.

Muitos apicultores não tem o cuidado necessário para detectar a varroa, o que torna mais difícil manter o controle sobre a praga, que se alastra facilmente, seja pelo contato entre abelhas nas caixas, seja pela convivência em flores.

Segundo o pesquisador Célio Hercílio da Silva, alguns procedimentos podem ajudar a controlar a varroa e manter a saúde da colmeia:

1- Selecione abelhas rainhas higiênicas: A característica de higiene da rainha é hereditária e passa para suas crias descendentes. É possível descobrir se a “matriarca” tem essas características. Deve-se separar cerca de 10 centímetros quadrados dos casulos onde estão as larvas e furá-los com uma agulha extra-fina. Após essa etapa, é preciso monitorar se as abelhas vêm limpar os casulos, retirando e descartando as larvas prejudicadas.

Se elas fizerem isso em até 10 horas após furar, são consideradas higiênicas e, por isso, mais fortes para lidar com doenças na colmeia;

2- Faça o manejo correto: Alimente as abelhas com proteína e deixe um estoque de mel para que elas se fortaleçam;

3- Use apenas produtos permitidos Há quatro opções orgânicas para o controle e redução da população de varroa. São eles o ácido oxálico, ácido fólico, timol e óleo essencial de eucalipto.

Polinização, o maior benefício das abelhas

As abelhas nos fornecem muitos benefícios através dos produtos da colmeia, como o mel, própolis, pólen, geleia real, cera de abelha… mas nenhum deles é tão importante quanto a polinização de plantas.

Em países como o Chile e Nova Zelândia a destinação de abelhas para a polinização da fruticultura e levada muito a sério. A apicultura no Chile virou uma grande aliada da produtividade e qualidade das frutas. Hoje , o foco é alugar colmeias lotadas para a polinização de pomares e hortas, deixando a produção de mel em segundo plano. Isso gera uma boa receita para o apicultor, com alugueis variando entre US$ 14 e US$ 22 cada colmeia. “Na Nova Zelândia é bem mais caro, custando cerca de US$ 120 cada”, conta Puntigliano.

Como manter as colmeias fortes no inverno?

No período de inverno as abelhas diminuem suas atividades por conta do frio mais intenso e da falta de flores para coletar o pólen e o néctar. Por conta disso elas precisam manter um estoque razoável de mel para se alimentar. A escassez de alimentos faz com que os enxames enfraqueçam e muitas abelhas morrem, indo se recompor somente na próxima florada. Quando o enxame volta a ter força muito tempo se passou e a produção de mel atrasada diminui a eficiência da colmeia.

Pensando em uma forma de manter a força da colmeia na baixa temporada o pesquisador Célio da Silva, da Prodapys, desenvolveu um experimento com plantas específicas para esta época do ano. Em uma área de 3 hectares foram plantadas canola, nabo forrageiro e coentro. No terreno arenoso utilizado antes para o plantio de fumo a canola e o nabo forrageiro tiveram um desenvolvimento muito bom, com muitas flores, mostrando ser uma ótima alternativa para o sustento das abelhas.

“Além dos benefícios para as abelhas, que terão alimento na época da entressafra e conseguem manter a colmeia mais forte, estas plantas são excelentes para a manutenção do solo, funcionando como adubo orgânico e na alimentação do gado”, explicou Célio.

O próximo passo é buscar espécies mais eficientes para o nosso ecossistema e o apoio dos governos para que se criem políticas de incentivo ao plantio do pasto apícola de manutenção.

O mercado do mel

“Nós não fabricamos mel. A nossa missão é a de comprar mel, processar e garantir a qualidade do produto exportado. Quando se fala de exportação logo se pensa no volume de negócios feitos com o exterior, no entanto, todo o processo de produção é feito no Brasil. Há uma grande movimentação financeira dentro do País que sustenta milhares de famílias de apicultores”, disse Tarciano da Silva, Diretor de Exportação da Prodapys.

A Prodapys é a maior exportadora de mel do Brasil nos últimos 8 anos. Embora o ano de 2015 não ter sido nada bom para o setor, 2016 promete ser redentor. Em janeiro de 2016 a Prodapys já exportou o maior volume para janeiro de sua história.

O momento é bom para a exportação e o apicultor tem lucrado mais, mas não se sabe até quando o mercado será favorável. Nos últimos tempos tivemos um desempenho melhor até mesmo que a Argentina, um dos maiores exportadores de mel da América do Sul. O estoque de mel no Brasil está aguardando a nova safra para se recompor e caso atrase muito, pode ser tarde demais com o mercado do mel voltando ao patamar normal.

Com relação ao evento Tarciano ressalta que “o investimento que estamos fazendo para o apicultor, trazendo palestrantes internacionais, ensinando técnicas que fazem evoluir a nossa apicultura e promovendo a melhoria para o apicultor brasileiro é uma forma de retribuir àqueles que são parceiros da Prodapys, pela amizade que se construiu. O sucesso da Prodapys passa necessariamente pelo sucesso desta parceria”.

Um evento para a família

A edição deste ano do encontro de apicultores inovou na sua programação. Além das programações técnicas e da visita às dependências da empresa, o evento presenteou a mulher apicultora com uma programação paralela voltada para a beleza e a saúde.

No primeiro dia a consultora independente Mary Kay, Juliani Daminelli, realizou um spa facial para as mulheres apicultoras, com uma aula de auto-maquiagem que mostrou que a beleza exterior eleva a autoestima e transforma as pessoas.

Na sexta foi a vez da farmacêutica da Prodapys Produtos Naturais, Cyntia da Silva, mostrar os benefícios que os produtos da colmeia tem para a saúde e beleza da mulher. O segmento de Produtos Naturais da Prodapys transforma produtos como própolis, cera de abelha, geleia real, polen, melitina e mel em cosméticos, alimentos e apiterápicos.

Por fim, as mulheres ainda puderam assistir um desfile de modas promovido pelas grifes DiFato e Ramage (Banana Black). As marcas desfilaram a sua coleção de verão e uma prévia do que vai ser sucesso no inverno 2016, despertando a curiosidade e deixando um “gostinho de quero mais”.

Para descontrair, a noite de quinta-feira reuniu os apicultores e suas famílias a beira mar para um encontro festivo, regado a “comes e bebes”.

“A iniciativa de ter esta programação paralela foi muito aplaudida pelos participantes, que tiveram um tempo para se divertir e relaxar. A apicultura é formada basicamente por pessoas da agricultura familiar e esta foi uma forma que encontramos para presentear as famílias dos apicultores, tornando o evento mais leve e bonito. Foi muito legal ver as pessoas chegando tímidas e depois das apresentações saírem renovadas e sorridentes”, falou Anderson Perraro, da Perraro Bezerra Propaganda, agência que organizou o evento.