ARTIGO


As técnicas adotadas pelas abelhas nativas na desidratação do néctar

Harold Brand – Biólogo, Meliponicultor e Consultor da APA
E-mail: denisebrandsano@hotmail.com

Mandaçaia eliminando gotas de água acumulado no fundo da colmeia proveniente da desidratação. Fotografia cedida por Jonder Kou - meliponicultor

Mandaçaia eliminando gotas de água acumulado no fundo da colmeia proveniente da desidratação. Fotografia cedida por Jonder Kou – meliponicultor

Muitas plantas através de suas flores usam várias artimanhas, para atrair os insetos polinizadores,como cores, odores e o que é mais importante, uma apetitosa ração alimentar, o néctar. Essa ração sempre é constituída por uma percentagem elevada do solvente universal, a água, onde estão diluídos uma infinidade de interesses alimentares para abelhas.

Fica fácil entender que o primeiro passo das abelhas, no tratamento do néctar obtido nas flores é diminuir o teor de água, para que os nutrientes possam ser manipulados e armazenados.

Diminuição do teor de água por absorção:

Na eliminação do excesso de água, uma fração é absorvida pelo organismo das abelhas coletoras e abelhas receptoras, o que também justifica o fato de que as abelhas nativas raramente necessitam buscar uma fonte de água, para seu metabolismo.

Diminuição do teor de água por desidratação

Consiste expor ao ar do ambiente interno o néctar coletado, mantendo os potes onde são armazenados abertos. O néctar é retirado dos potes de tempo em tempo e levado no papo das abelhas que regorgitam, expondo na língua para evaporação.A água evaporada dessas duas formas saturam o ar do meio interno, criando a necessidade das abelhas agitarem as asas para a circulação e renovação do ar.

O ar saturado no interior da colmeia em contato com a parede interna que é mais fria sofre condensação e acaba acumulando no fundo.A água acumulada é sugada de tempo em tempo pelas abelhas e regurgitada para o meio exterior.

URUÇU, ABELHA COM UMA DINÂMICA SOFISTICADA DE DESIDRATAÇAO DO NECTAR

Além dos mecanismos usuais utilizados pelas abelhas nativas para diminuir a quantidade de água do néctar, a abelha uruçu, utiliza uma técnica muito especial, a desidratação externa.Ela acontece quando o pasto apícola é abundante . Um recurso majestoso, digno de ser apreciado.

O recurso consiste em as abelhas partirem em grande numero da colméia, levando a cada uma delas um pouco de néctar no papo, e em vôo se agrupam próximo a colmeia formado pelo seu elevado número uma espécie de pequena nuvem.

Inicialmente as abelhas dessa nuvem giram em torno de um eixo imaginário, durante alguns minutos na procura da direção do vento.Em continuidade passam a se posicionar de frente a direção do vento quase estacionárias, batendo intensamente as asas cujo ruído pode ser ouvido a distância.Este processo pode levar mais de duas horas, antes das abelhas uma a uma voltem para colmeia.

DUAS EXPERIÊNCIAS SIMPLES E QUE PODEM SER REPETIDAS FACILMENTE

Direcionar um ventilador de maneira a criar uma nova direção do vento, as abelhas em resposta se voltam de frente para essa nova direção.

Com o bater das asas direcionam o ar para baixo e como a evaporação, diminui a temperatura. Basta posicionarmos abaixo dessa nuvem, para sentir uma brisa fresca, é o ar condicionado das abelhas.-*

Desidratação externa um recurso majestoso digno de ser admirado