Artigo


PRÓPOLIS – O que é, Para que serve, Como produzir

Vandira Pereira da Mata – Engenheira Agrônoma – UFBA / Pós Graduação em Desenvolvimento Sustentável – UFPB / Pós Graduação em Apicultura – UNITAU / Mestrado em Ciências Agrárias – UFRB / Extensionista Rural Presidente do CNAA

Própolis – Conceito e Importância

Segundo a Instrução Normativa n° 03, de 19/07/2001 do MAPA, própolis é um “Produto oriundo de substâncias resinosas, gomosas e balsâmicas, colhidas pelas abelhas de brotos, flores e exsudatos de plantas, nas quais as abelhas acrescentam secreções salivares, cera e pólen para a elaboração do produto final”.

Vandira Pereira Da Mata - Engenheira Agrônoma – UFBA

Vandira Pereira Da Mata – Engenheira Agrônoma – UFBA

É uma mistura complexa, coletada de resinas com propriedades antimicrobianas de diferentes espécies vegetais, que são produzidas como protetores de suas partes mais jovens ou quando sofre alguma injúria. É composta por 50 a 60% de resinas e bálsamos, 25-35% de ceras, 5-10% de óleos essenciais, 5% de grãos de pólen e microelementos, alumínio, cálcio, cobre, manganês, ferro, estrôncio e pequenas quantidades de vitaminas B1, B2, B6, C e E.

Normalmente o conhecimento da população em relação aos produtos da colmeia restringe-se ao mel. Apenas alguns conhecem a própolis por ser aplicado em problemas nas vias aéreas, normalmente adicionado a chás, apesar de este também ser bastante estudado, principalmente nos últimos anos.

A própolis vem sendo utilizada há muitos séculos pela humanidade, desde o embalsamamento das múmias egípcias passando pelos gregos e romanos. Desde sempre faz parte dos recursos adotados na medicina complementar e alternativa, de forma efetiva ou como apoio nos mais diversos tratamentos médicos. Usada também não só para melhorar a saúde como para prevenir doenças

Características:

A cor, odor e sabor são característicos e variáveis, a depender da fonte que oferta resina.

A consistência é variável, a depender da fonte de resina, região geográfica e temperatura ambiente. Por ser um produto termoplástico, apresenta-se maleável quando submetido ao calor, tornando-se quebradiço quando em baixas temperaturas.

Flavonoides (ou bioflavonoides) é a designação dada a um grande grupo de metabólitos secundários da classe dos polifenóis, componentes de baixo peso molecular encontrados em diversas espécies vegetais e que representam uma barreira química de defesa contra microrganismos como fungos, bactérias, protozoários e vírus. A estes, são atribuídas as propriedades farmacológicas das própolis.

Uma mistura complexa, coletada de resinas com propriedades antimicrobianas de diferentes espécies vegetais.

Uma mistura complexa, coletada de resinas com propriedades antimicrobianas
de diferentes espécies vegetais.

Pode-se dizer que os flavonoides são os bio marcadores das própolis. Quanto maior o teor de flavonoides, principalmente os específicos, maior a atividade biológica das própolis e maior o seu valor de mercado.

Classificação

As própolis brasileiras foram classificadas inicialmente em 12 grupos, observando as características físicas, composição química, origem geográfica e fonte vegetal onde as abelhas coletam a resina.

Dessas própolis temos as mais conhecidas e valiosas que são as dos grupos 12 e 13.

No Grupo 12, encontramos um tipo que é conhecida como própolis verde do Sudeste, cuja origem vegetal é o Alecrim do campo (Baccharis dracunculifolia), tendo como diferencial o alto teor de artepilin C e outros derivados do ácido cinâmico, com registros positivos em tratamento de alguns tipos de câncer. Ocorre nos estados de São Paulo e Minas Gerais.

O grupo 13 é representado pela própolis vermelha do Nordeste, cuja origem botânica é o Rabo de bugio (Dalbergia ecastaphyllum). A própolis vermelha é riquíssima em formononetina e outros antioxidantes além de isoflavonas, eficientes no tratamento de câncer e outros sinais de envelhecimento precoce. É considerada única em seu potencial biológico, sendo a mais valorizada no mundo.

Despertando com grande potencial de flavonoides (Grupo 14?) temos a própolis verde da caatinga, própolis verde do Nordeste, ou própolis verde da Jurema preta, cuja origem botânica é a Jurema preta (Mimosa tenuiflora). É considerada a própolis mais rica em flavonoides do mundo, necessitando de mais estudos e pesquisas para determinar seu verdadeiro potencial quanto às propriedades medicinais.

Uma curiosidade é a própolis do grupo G6, oriunda da Mata Atlântica – Litoral norte da Bahia, cuja provável origem botânica é Hyptis divaricata que, apesar de ser pobre em flavonoides apresenta alta atividade antimicrobiana, antitumoral e antioxidante.

Sabe-se que a composição química da própolis, comparada com a composição da provável fonte vegetal é o indicador confiável da origem botânica da mesma.

Importância para as Abelhas

As própolis são utilizadas pelas abelhas para calafetação ou obstrução de entradas alternativas na caixa para que haja maior controle do espaço e temperatura internos e como proteção contra agentes externos como luminosidade, umidade, chuva, vento e frio.

Quando animais de maior porte invadem as colmeias, as abelhas matam, mas como não tem condição de colocar para fora elas os mumificam para quer os mesmos não entrem em putrefação.

Cada vez que nasce uma abelha, as operárias envernizam o alvéolo com própolis para que ocorra a assepsia antes de nova postura da rainha. Enfim a própolis é importante para manter o ambiente da colônia livre de microrganismos nocivos.

Importância para O Homem

Devido ao registro de atividades bioativas nas própolis, estas são muito utilizadas devido a ação antimicrobiana (bactericida), antifúngica, antimutagênica, antiprotozoário, antioxidante, antiinflamatória, hepatoprotetora, protetora solar, anticariogênica, cicatrizante, anti-hemorrágica,e outras.

É muito raro alguém apresentar alergia a própolis, entretanto pode ocorrer sendo necessário atenção e fazer um teste de sensibilidade antes de sua utilização.

Uso da própolis

A própolis é disponibilizada em forma de extrato, pó, xarope, cápsulas, spray, enxaguatório bucal, pomada, bala, pastilha, suspensão, comprimido, creme, shampoo, sabonete, creme dental, chicletes, etc. destinando-se assim a diversos usos na saúde humana.

Para uso vegetal são realizadas pulverizações com solução de própolis para combater fungos e outros parasitas em cultivos orgânicos e agroecológicos.

Na clínica veterinária é usada na forma de pomadas, emplastro para cicatrização de feridas, cortes pós-operatórios, cauterização de umbigo, combate de hemorragias, mamite, mastite, etc.

Própolis e COVID 19

Própolis x Covid 19.

Própolis x Covid 19.

Diante do conhecimento das propriedades das própolis e o mecanismo de ação no organismo humano, estão sendo conduzidos diversos experimentos com própolis no prevenção e combate à Covid-19, entretanto apesar de até mesmo já existir um protocolo de uso no Uruguai e no Equador, México e outros países, até mesmo pelo tempo de testes e aplicação do protocolo com excelentes resultados, acho prematuro afirmar que a própolis é eficaz no combate à Covid 19. Entretanto é inegável o poder da própolis no fortalecimento do sistema imunológico.

No Brasil, a Dra. Generosa Souza Ribeiro, juntamente com os médicos Dr. Mikhael Marques e Dr. Rodrigo Duprat, estão realizando uma pesquisa sobre Aspectos Botânicos e Médicos da Própolis diante da Covid-19, ainda em fase de conclusão, baseado nas atividades biológicas da Própolis.

Estudo desenvolvido pelo médico nefrologista Dr. Marcelo Augusto Duarte Silveira em parceria com a Dra. Andresa Berretta, farmacêutica responsável e gerente do Laboratório de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da Apis Flora – Ribeirão Preto, publicado em 17/08/2020, chegou à seguinte conclusão: “Para determinar se a própolis afeta especificamente o SARS-CoV-2 exigirá mais pesquisas. Mas dado que a própolis é um produto livre de riscos, exceto para aqueles que podem desenvolver uma alergia a ele, as atividades biológicas conhecidas deste produto de abelha natural nos levam a sugerir seu uso para reduzir o risco e o impacto da infecção e como adjunto ao tratamento.”

Dra. Amélia Cristina Tor Pisano, médica uruguaia, desenvolveu um protocolo para prevenção e tratamento de Covid -19 que vem sendo aplicado em diversos países como Equador, México, Espanha, com sucesso, e tem divulgado os resultados, que estão disponíveis na internet

Como produzir

Retirada do caixilho de própolis - Foto Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina.

Retirada do caixilho de própolis – Foto Empresa de Pesquisa Agropecuária e
Extensão Rural de Santa Catarina.

Para produzir própolis, o interessado tem que saber criar abelhas, ser realmente apicultor, e para isso tem que dominar o conhecimento das técnicas de manejo para produção de mel, para só então passar a investir em outros produtos da colmeia, inclusive própolis. A informação é fundamental por isso o produtor tem que estar sempre buscando conteúdo atualizado. Ler, frequentar bons cursos, congressos, seminários e palestras, é fundamental para o sucesso da atividade.

Os materiais utilizados, como colmeias, melgueiras, coletores, alimentadores devem ser padronizados para facilitar o manejo adequado, e fabricados com material de boa qualidade e livres de substâncias tóxicas que possam contaminar a própolis.

Além dos materiais utilizados para produção de mel, é também necessário a aquisição de freezer, sacos plásticos de padrão alimentício, novos e, se possível, construir uma casa de extração de própolis contendo equipamentos e utensílios.

A escolha do local para a localização do apiário é muito importante pois deverá ter pastagem disponível de forma satisfatória para garantir a oferta de néctar e pólen, mas principalmente do material resinoso desejado para garantir a qualidade da própolis produzida.

Disponibilizar água de boa qualidade, próxima aos apiários, é importante para diminuir o esforço das abelhas em busca da mesma, reservando energia para a coleta de própolis.

O local onde será instalado o apiário deverá ser de fácil acesso, inclusive de transporte, já que a coleta deverá ser semanal.

Outro fator a ser observado é o sombreamento e a força dos ventos, estimulando assim a produção de própolis de qualidade e a diminuição do esforço das abelhas ao retornar à colmeia carregadas de própolis.

Atentar para a distância do apiário de estradas, residências, escolas, instalações de animais, entre outras providências, faz parte das condições de segurança a que o apicultor deverá estar atento. Possíveis acidentes é de responsabilidade do apicultor.

No apiário de produção de própolis, a distância entre as caixas deverá ser menor, variando de 1m a 1,5m entre caixas, com um número médio de 12 caixas por apiário, para facilitar o manejo.

O apicultor deverá selecionar entre seus enxames quais os que apresentam genética propícia para produção de própolis. Para isso deverá colocar sarrafos de 2cm, em um lado, entre o ninho e a tampa, retornando para observar no sétimo dia. Deverão ser selecionados aqueles que conseguirem fechar a fresta em até 7 dias.

Entre os enxames escolhidos deverão ser selecionadas rainhas para multiplicação, observando o potencial produtivo e o comportamento higiênico da colônia.

O produtor deverá observar a disponibilidade de pastagem apícola e quais as plantas visitadas pelas abelhas mês a mês, tanto para coleta de néctar, como de pólen e própolis. A partir daí deverá ser elaborado o Calendário de Florada e o Calendário de Atividades da região.

Para produzir própolis os enxames deverão ser sempre populosos e para isso deverá se adotar técnicas apropriadas para o fortalecimento dos enxames, cuja base é a presença de rainha nova e selecionada, troca regular de cera e alimentação abundante. Não esquecer que todos os enxames deverão ter um padrão uniforme, de população e produção, e para isso deverão ser postos em prática os procedimentos recomendados.

Obedecidas as recomendações técnicas e estando os enxames estabilizados, coloca-se os coletores de própolis, cujo modelo mais adotado é o “Tira e Põe”, podendo ser o mesmo confeccionado até em material inox.

Não se deve descuidar da alimentação dos enxames, tanto energética quanto proteica, estimulando a necessidade de defesa do alimento, que se traduz no fechamento das frestas dos coletores.

Revisões periódicas serão feitas com objetivo de avaliar as condições gerais das colmeias e a ocorrência de anormalidades. Estas revisões devem acontecer somente quando necessário e de forma a interferir o mínimo possível na atividade das abelhas.

A própolis deverá ser colhida num intervalo máximo de 7 dias devido à possibilidade oxidação do produto, o que levará à perda de qualidade do produto.

Os materiais e equipamentos serão sempre apropriados para produtos alimentícios, inclusive os sacos utilizados para acondicionamento da própolis. A aquisição de um freezer é fundamental para armazenamento da própolis até a comercialização.

Valor econômico

Figura5_PropolisA produtividade obtida, seguindo-se o manejo tradicional, é de 300 a 600g /colmeia/ano, porém ao adotar manejos adequados e avançados pode-se colher de de 2 a 4kg/colmeia/ano.

Considerando o valor atual das própolis brasileiras no mercado internacional, que pode chegar a R$ 1.600,00 o quilo da própolis bruta, podemos afirmar que a produção de própolis é das mais rentáveis na atividade apícola.

Projeto Produção de própolis

Sabe-se que a comercialização de um produto, exige que se tenha quantidade, qualidade e regularidade no fornecimento do mesmo. Com a própolis não é diferente e, para que uma região seja considerada um polo produtor de própolis, uma maneira de adiantar o processo é a execução de um projeto definido principalmente quanto ao mercado que se deseja alcançar. Para isto alguns passos devem ser perseguidos como:

Elaboração de diagnóstico para identificar e avaliar o potencial para produção de própolis nas diversas regiões;

Identificação de áreas com vocação para produção de própolis, ou seja, o potencial produtivo e existência de apicultores;

Proceder à análise, classificação e qualificação dos diversos tipos de própolis produzidos;

Disponibilizar para os apicultores técnicas para produção de própolis, como cursos e eventos para ampliação de conhecimentos;

Ampliar a disponibilidade de plantas apícolas, ou seja, proceder ao plantio de plantas com potencial para fornecimento de recursos;

Firmar parcerias com instituições diversas, considerando que cada instituição tem competências diversas que se complementam;

Incentivar, apoiar tecnicamente e acompanhar a execução da produção de própolis, em todas as fases do processo produtivo, até o beneficiamento e comercialização do produto.

Produzir própolis é uma variação da produção apícola que agrega renda para os apicultores, contribui para a preservação e conservação de biomas e contribui para a saúde humana de uma maneira mais natural.