Artigo


A dança das abelhas produtoras de mel tem dialetos

Fonte: Proceedings of the Royal Society. – Por Alejandro Serrano.

(Veja Revista Mensagem Doce 71 maio de 2003)

Os resultados confirmam o que von Frisch e Lindauer suspeitavam sobre o significado dos dialetos da dança.

Depois de mais de 70 anos, uma grande controvérsia da zoologia foi resolvida: as abelhas melificas realmente usam diferentes dialetos em sua conhecida dança. Os dialetos, que foram desenvolvidos e aperfeiçoados nos últimos milhões de anos de evolução, estão relacionados ao raio de ação em que elas coletam sua alimentação ao redor da colmeia.Figura-Danca

O estudo que garante isso foi realizado por equipes de pesquisa do biocentro Julius-Maximilians na Universidade de Würzburg (JMU) na Baviera (Alemanha) e pelo Centro Nacional de Ciências Biológicas (NCBS) em Bangalore (Índia), e foi publicado na revista Proceedings of the Royal Society.

O fato de as abelhas poderem ter dialetos de dança foi proposto pela primeira vez na década de 1940 por Karl von Frisch, vencedor do Nobel, e seu aluno Martin Lindauer. Experiências posteriores, no entanto, levantaram dúvidas sobre a existência desses dialetos. Os novos resultados agora provam que Frisch e Lindauer estavam certos. Os dois pioneiros da pesquisa comportamental também estiveram corretos ao explicar os motivos que levaram as abelhas a desenvolver esses dialetos.

Quadro-DancaA linguagem da dança das abelhas é uma forma única de comunicação simbólica no reino animal. Por exemplo, quando uma abelha descobre uma flor de cerejeira, ela volta à colmeia. Lá, ela informa os outros com uma dança sobre a direção em que a fonte de alimento está e a que distância está.

Parte da dança é a chamada dança do requebrado, na qual as abelhas agitam vigorosamente o abdômen. A direção em que a dança é feita no favo comunica a direção do destino em relação à posição do sol, enquanto a duração do movimento indica a distância.

À medida que a distância da fonte de alimento do ninho aumenta, a duração do movimento aumenta linearmente”, diz o estudante de pós-doutorado da JMU Patrick Kohl , primeiro autor da publicação. No entanto, esse aumento é diferente para diferentes espécies de abelhas. Isso foi demonstrado em experimentos realizados pela equipe de pesquisa no sul da Índia.

Lá, foram estudadas três espécies de abelhas com diferentes raios de ação. As abelhas orientais (Apis cerana) voam até cerca de um quilômetro do ninho. As abelhas anãs (Apis florea) voam até 2,5 quilômetros, as abelhas gigantes (Apis dorsata) voam cerca de três quilômetros.

As relações opostas se aplicam ao aumento da duração do movimento. Por exemplo, se uma fonte de alimento estiver a 800 m de distância, uma abelha oriental terá um movimento muito mais longo que uma abelha anã, e a última terá um movimento mais longo que a abelha gigante. Para comunicar uma distância idêntica à comida, cada espécie usa seu próprio dialeto de dança.

Também vimos isso quando comparamos nossos resultados com dados publicados de outros grupos de pesquisa”, diz Kohl. A correlação entre a faixa de alimentação e o dialeto da dança foi corroborada quando espécies de abelhas nativas da Inglaterra, Botsuana e Japão foram observadas.

Por que os pesquisadores da JMU foram ao sul da Índia para estudar abelhas? A Índia tem a vantagem de três espécies de abelhas viverem na mesma área, para que seus dialetos de dança possam ser facilmente comparados, explica Kohl. Também temos ótimos contatos com pesquisadores do NCBS, uma das principais diretorias de pesquisa do sul da Ásia .

Os resultados também confirmam o que von Frisch e Lindauer suspeitavam sobre o significado dos dialetos da dança. São adaptações evolutivas às distâncias típicas de alimentação das espécies de abelhas. As abelhas, por exemplo, que voam regularmente longas distâncias, não podem se dar ao luxo de comunicar essas distâncias na colmeia com percursos muito longos: na “pista de dança”, cheia de abelhas, outros congêneres teriam dificuldade para seguir tais «maratonas».

A conclusão dos cientistas é clara: os dialetos da dança das abelhas são um excelente exemplo de como comportamentos complexos são ajustados como uma adaptação evolutiva ao meio ambiente.