Editorial


Qual a Esperança do novo ano?

Mais um ano se finda e infelizmente não temos muito a comemorar ou comentar, a não ser a grande preocupação com a situação atual, e ainda, a perspectiva do ano que se aproxima no que se relaciona à Apicultura.

A mortandade de abelhas continua com o problema da pulverização aréa. Só no Rio Grande do Sul foram mais de 5.000 colmeias, sem contar com a mortandade em outros estados. Lamentavelmente o grande prejudicado sempre somos nós que trabalhamos com as abelhas. 0 Governo não tem dado o apoio que necessitamos e precisamos para amenizar os problemas, e pelo visto, sem perspectivas de mudança, pois poder econômico sempre vence.

Com relação à venda de produtos apícolas, principalmente o mel, estamos com grande problema. O preço que o mercado externo está pagando é muito baixo para pagar o custo que temos para exportar, contando evidentemente com a margem de lucro do apicultor e do exportador.

Apesar do nosso mel ser de ótima qualidade, ele não é vendido pela qualidade e sim pela cor (mel claro tem um valor maior do que o mel escuro), para efeitos de exportação.

O que devemos pensar para os próximos anos, fazer um trabalho com o poder público para aumentar o consumo interno do mel, fazendo campanhas para o uso de mel na merenda escolar, forçar os departamentos competentes a exigir o uso efetivo do mel verdadeiro em produtos, cuja fórmula indique o mel, mostrar em ampla divulgação nacional os benefícios contínuos do uso do mel.

A esperança é a última que morre! Desejo a todos um Feliz 2020.

Radamés Zovaro – Diretor Técnico