Que Abelha é esta?


Melipona mondury (bugia)
em Santa Catarina.
Características e manejo.

Cleiton Geuster ([email protected]).

Fig.1A Entrada de ninho forte de Melipona mondury com operárias. Foto Cleiton J. Geuster.

Fig.1A Entrada de ninho forte de Melipona mondury com operárias. Foto Cleiton J. Geuster.

Com ampla distribuição pela Mata Atlântica, ao sul, a Melipona mondury chega perto do estado do Rio Grande do Sul, ficando limitada a regiões costeiras e montanhosas próximas de Criciúma. Em Santa Catarina, ocorre em trechos conservados da floresta ombrófila densa, onde é a abelha do gênero Melipona que tem as colônias mais populosas e com maior produção de mel. Aqui é chamada principalmente pelo nome de bugia, graças a sua coloração dourada semelhante a coloração de primatas locais chamados de bugios. Nos últimos anos, seus ninhos têm sido multiplicados e se espalharam por meliponicultores de todo o estado, onde mesmo fora de seu habitat, são criadas com sucesso e produzem quantidades razoáveis de mel. Lembro-me que logo que iniciei a criação desta espécie, ela ainda apresentava um certo desafio para os criadores, sendo considerada delicada e pouco resistente ao frio que faz por aqui no inverno. Todos os ninhos eram mantidos de maio até agosto com aquecedores elétricos sob as caixas. Hoje, salvo dias de frio muito intenso, com temperaturas negativas, caixas feitas com madeira leve e grossa e boa alimentação energética (xarope ou mel) já são suficientes para que a colônia se mantenha durante os meses frios sem grandes problemas.

Fig.1B Vista lateral das operárias de Melipona mondury na entrada do ninho. Foto Cleiton J. Geuster.

Fig.1B Vista lateral das operárias de Melipona mondury na entrada do ninho. Foto Cleiton J.
Geuster.

As bugias (Fig.1AB) são abelhas relativamente generalistas. Em comparação com guaraipos, mandaçaias e manduris, que são as abelhas do gênero Melipona que aqui ocorrem em simpatria, visitam uma variedade maior de espécies vegetais em busca de alimento. Produzem um mel de sabor e aroma excelente, e em boa quantidade. Aqui no Oeste de Santa Catarina, a principal florada em termos de rentabilidade de mel, é a da uva-japonesa – Hovenia dulcis nos meses de outubro e novembro, justamente quando os enxames estão mais populosos. Muito importantes para elas ainda são as floradas do angico (Parapiptadenia rigida), camboatá-vermelho (Cupania vernalis) e eucaliptos de diversas espécies. De modo geral, são fortemente atraídas pela floração de quase todas as mirtáceas que aqui ocorrem.

Para a finalidade da criação devemos escolher o tipo de caixa que comportará o enxame. Caixas verticais com módulos são vantajosas para divisões de enxames e mais eficientes quanto ao conforto térmico do ninho. Já para a produção de mel e facilidade de construção, caixas horizontais simples é uma alternativa (Fig.2). Existem diversos modelos e materiais empregados para sua criação, sendo que os mais térmicos e resistentes à umidade são os melhores.

Fig.2 Arquitetura interna do ninho de Melipona mondury mostrando potes de alimento e favo envolto por invólucro. Foto Cleiton J. Geuster.

Fig.2 Arquitetura interna do ninho de Melipona mondury mostrando potes de alimento e favo
envolto por invólucro. Foto Cleiton J. Geuster.

O volume interno da caixa deve ser sempre acima de 8 litros, sendo que algumas vezes, só de mel se pode colher algo em torno de 5 litros. Em caixas com módulos, pode-se iniciar o enxame com volumes menores, adicionando módulos conforme a evolução da colônia. A divisão das colônias pode ser feita de setembro até fevereiro, mas somente se utilizando de colônias fortes, sendo de vital importância que um grande número de operárias adultas fique na colônia filha.

Criando abelhas sem ferrão por mais de 15 anos, posso afirmar que as bugias e as jataís são as mais promissoras abelhas nativas para a produção de mel em quantidade e qualidade aqui no Oeste de Santa Catarina. Sua criação cresce a cada ano, e lentamente, a bugia e seu precioso mel estão conquistando o paladar dos catarinenses.